TPQB TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ TPQB - Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Busca 
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!
This is an example of a HTML caption with a link.
Formulário de Busca
×

Páginas dos Livros nos Sites das Editoras

Ver Legenda   Página Existente
  Página não encontrada

  1. A Aprendizagem Tecnológica no Brasil
  2. Análise Térmica de Materiais
  3. Aproveitamento Energético e Caracterização de Resíduos de Biomassa
  4. Biocatálise e Biotransformação
  5. Biocombustíveis no Brasil
  6. Biomassa para Química Verde
  7. Chemistry Beyond Chlorine
  8. Compositional Grading in Oil and Gas Reservoirs
  9. Controle e Monitoramento de Poluentes Atmosféricos
  10. Dinâmica, Controle e Instrumentação de Processos
  11. Economia da Energia
  12. Engenharia de Processos
  13. Gestão em Biotecnologia
  14. Glycerol - A Versatile Renewable Feedstock for the Chemical Industry
  15. Handbook of Fruit and Vegetable Flavors
  16. Inovação - O Combustível do Futuro
  17. Mapeamento Tecnológico de Polímeros Furânicos
  18. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 1
  19. Modelagem e Controle na Produção de Petróleo
  20. Olefinas Leves - Tecnologia, Mercado e Aspectos Econômicos
  21. Oportunidades em Medicamentos Genéricos
  22. Panorama e Perspectivas da Estocagem Geológica de Gás Natural
  23. Patenteamento & Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico
  24. Planejamento de Experimentos usando o Statistica
  25. Potencialidades do Cajueiro
  26. Processos Inorgânicos
  27. Reologia e Reometria - Fundamentos Teóricos e Práticos
  28. Reúso de Água em Processos Químicos
  29. Setores da Indústria Química Orgânica
  30. Technology Roadmap
  31. Tecnologia do Hidrogênio
  32. Tecnologia Enzimática
  33. Tecnologias de Produção de Biodiesel
  34. Technological Trends in the Pharmaceutical Industry
  35. Tendências Tecnológicas no Setor Farmacêutico
×

Vídeos sobre o TPQB

Globo Ciência, 15/09/2012 - Planta Multiuso, 3ª Parte

Resumo

No programa do dia 15/09/2012, Alexandre Henderson do Globo Ciência apresentou o processo de obtenção do Etanol de 2ª Geração, assunto da tese da Doutoranda Vanessa Rocha, orientada pelo Prof. Nei Pereira Jr., e o processo de obtenção da fibra de carbono a partir do bagaço de cana de açúcar, assunto da dissertação do mestrando Felipe Souto da Silva, orientado pela Profª Verônica Calado e pelo Prof. Nei Pereira Jr., todos do TPQB e do NBPD - Núcleo de Biocombustíveis, de Petróleo e seus Derivados da Escola de Química da UFRJ.

Assista o Vídeo do Globo Ciência

Transcrição do Áudio

Alexandre Henderson: Uma tonelada de cana-de-açúcar usada para fazer álcool deixa cerca de 140 quilos de bagaço que é o principal resíduo do agronegócio brasileiro. Parte deste resíduo é queimado nas próprias usinas para gerar energia, mas o que sobra pode se tornar fator de poluição ambiental se armazenado incorretamente. Se transformado em fibra de carbono, um material muito valorizado pela indústria, esse bagaço-de-cana pode se transformar em peças de carro, materiais para indústria de petróleo e até armações de óculos. Eu estou aqui no Núcleo de Biocombustíveis, de Petróleo e de seus Derivados da Universidade Federal do Rio de Janeiro e quem vai nos receber é a pesquisadora Vanessa Rocha.

Alexandre Henderson: Todo mundo sabe que o etanol, esse álcool que a gente vê nos postos de combustíveis é produzido a partir da cana-de-açúcar. Agora, dá para imaginar que o bagaço da cana-de-açúcar também pode produzir álcool ou etanol? Como é que é isto?

Vanessa Rocha: Esse bagaço vem do campo. Nós levamos ele para um tratamento ácido que nós chamamos de pré-tratamento. Durante esse pré-tratamento vai ser retirada a fração hemicelulose do bagaço.

Essa hemicelulose pode, também, ser uma matéria-prima para a produção de etanol.

E, do bagaço, vai ficar restando a celulose e a lignina.

Essa celulose nós podemos usar como matéria-prima para a produção de álcool, no caso, o etanol. Podemos produzir, também, enzimas e ácidos orgânicos.

Alexandre Henderson: Agora a gente vai ver como se produz a fibra de carbono a partir de um dos componentes da cana-de-açúcar que é a lignina. E eu vou conversar com a pesquisadora Verônica Calado, Muito Obrigado!

Alexandre Henderson: Profª Verônica mostra para a gente o Processo!

Profª Verônica Calado: Alexandre, a lignina vai ser tratada com uma ... ácida. Gera este material que a gente coloca nesse recipiente para ser filtrada. Gera uma borra. E essa borra é uma mistura de sólido com líquido.

A gente leva à Estufa, seca, dando origem a este pó. E este pó é a lignina. E essa lignina é a matéria-prima, o insumo para a gente gerar fibra de carbono. Só que antes a gente obtém a fibra verde de lignina que a gente vai ver na próxima sala. Vamos lá?

Alexandre Henderson: Vamos!

Profª Verônica Calado: pois é, Alexandre. Aquele pó que a gente viu foi colocado nesse recipiente, foi aquecido, a uma temperatura alta, ± 280°C. A lignina é fundida, ou seja, ela vai se transformar numa massa fluida tendendo a líquido. Passa por um orifício, como se fosse uma máquina de macarrão, uma extrusão. Sai este filete, e isto aqui é chamado fibra verde de lignina.

Daqui a gente leva para uma estufa para ser aquecida em atmosfera oxidante que é com ar, com oxigênio. Depois, ela vai para um outro processo de aquecimento, numa mufla a ± 1000°C em atmosfera inerte e aí sim a gente obtém a fibra de carbono.

Alexandre Henderson: Esta aqui seria a fibra de carbono, que seriam esses filamentos bem fininhos né?

Profª Verônica Calado: Nesses filamentos o diâmetro é menor do que um fio de cabelo. Na verdade, aqui a gente tem vários filamentos.

Alexandre Henderson: Quais são as características de uma fibra de carbono?

Profª Verônica Calado: A fibra de carbono é leve, muito resistente, condutora eletricamente, condutora termicamente, tem uma infinidade de aplicações.

Alexandre Henderson: É interessante, a maior parte dessa fibra de carbono vem do petróleo. Imagine daqui a alguns anos, fibra de carbono vinda de resíduo de cana-de-açúcar.

Profª Verônica Calado: Resíduo de cana-de-açúcar, de indústria de papel, de coco, de muita coisa.

Fonte: Globo Ciência, 15/09/2012 - Planta Multiuso, 3ª Parte