TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ TPQB - Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!

Dissertações de Mestrado Defendidas: 2009

Emprego de Yarrowia lipolytica na Degradação de Óleo Cru

Autora: Tatiana Felix Ferreira
Orientadoras: Maria Alice Zarur Coelho, Maria Helena Miguez da Rocha Leão.

Resumo

Yarrowia lipolytica é uma levedura estritamente aeróbia particularmente adaptada a substratos hidrofóbicos. A afinidade por estes substratos se dá devido à elevada hidrofobicidade celular apresentada por esta espécie.

Neste trabalho, foi avaliada a capacidade biodegradadora de uma cepa de Y. lipolytica IMUFRJ 50682, isolada da Baía de Guanabara (RJ-Brasil). Realizou-se um planejamento experimental fatorial completo 24 a fim de estudar a influência das variáveis temperatura, agitação, concentração do inóculo e concentração inicial de petróleo na biodegradação de óleo cru.

Além disso, análises de cromatografia gasosa acoplada ao espectrômetro de massas de amostras de óleo antes e após o processo de biorremediação foram realizadas para investigar quais grupos de compostos presentes no óleo cru a cepa em questão é capaz de assimilar. Y. lipolytica IMUFRJ 50682 mostrou ser um microrganismo com potencial para aplicação em processos de biorremediação, sendo capaz de consumir n-parafinas, isoprenóides e até hidrocarbonetos aromáticos como a classe dos naftalenos e a classe dos fenantrenos.

Todas as variáveis estudadas apresentaram efeitos significativos sobre o processo de biodegradação de óleo cru, sendo que as variáveis temperatura, agitação e concentração do inóculo apresentaram efeito positivo e a concentração inicial de petróleo efeito negativo.

Em paralelo, foi investigada a hidrofobicidade celular de Y. lipolytica perante diferentes substratos. Os substratos utilizados foram glicose, glicerol e petróleo. A hidrofobicidade celular não foi alterada pela fonte de carbono presente no meio de cultivo. Contudo, a fonte de carbono parece alterar a composição da parede celular, e consequentemente, influencia os componentes responsáveis pela hidrofobicidade da célula. Com isso, investigou-se o envolvimento das proteínas e dos polissacarídeos no fenômeno da hidrofobicidade. As proteínas parecem estar diretamente ligadas ao elevado caráter hidrofóbico apresentado pela cepa Y. lipolytica IMUFRJ 50682.