EPQB EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ EPQB - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
English Busca 
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!
Formulário de Busca
×

Páginas dos Livros nos Sites das Editoras

Ver Legenda   Página Existente
  Página não encontrada

  1. A Aprendizagem Tecnológica no Brasil
  2. Análise Térmica de Materiais
  3. Aproveitamento Energético e Caracterização de Resíduos de Biomassa
  4. Biocatálise e Biotransformação - Fundamentos e Aplicações
  5. Biocombustíveis no Brasil
  6. Biomassa para Química Verde
  7. Chemistry Beyond Chlorine
  8. Compositional Grading in Oil and Gas Reservoirs
  9. Controle e Monitoramento de Poluentes Atmosféricos
  10. Dinâmica, Controle e Instrumentação de Processos
  11. Economia da Energia
  12. Engenharia de Processos
  13. Gestão em Biotecnologia
  14. Glycerol - A Versatile Renewable Feedstock for the Chemical Industry
  15. Handbook of Fruit and Vegetable Flavors
  16. Hidrogênio e Células a Combustível
  17. Inovação - O Combustível do Futuro
  18. Integração Refino-Petroquímica - Tendências e Impactos
  19. Mapeamento Tecnológico de Polímeros Furânicos
  20. Microbiologia Industrial - vol. 1: Bioprocessos
  21. Microbiologia Industrial - vol. 2: Alimentos
  22. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 1: Hidrocraqueamento de Frações Pesadas
  23. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 2: Hidrotratamento de Destilados
  24. Modelagem e Controle na Produção de Petróleo - Aplicações em MatLab
  25. Monoethylene Glycol as Hydrate Inhibitor in Offshore Natural Gas Processing - From Fundamentals to Exergy Analysis
  26. Offshore Processing of CO2-Rich Natural Gas with Supersonic Separator - Multiphase Sound Speed, CO2 Freeze-Out and HYSYS Implementation
  27. Olefinas Leves - Tecnologia, Mercado e Aspectos Econômicos
  28. Oportunidades em Medicamentos Genéricos - A Indústria Farmacêutica Brasileira
  29. Panorama e Perspectivas da Estocagem Geológica de Gás Natural no Brasil e no Mundo
  30. Patenteamento & Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico
  31. Planejamento de Experimentos usando o Statistica
  32. Potencialidades do Cajueiro - Caracterização Tecnológica e Aplicação
  33. Processos Inorgânicos
  34. Reologia e Reometria - Fundamentos Teóricos e Práticos
  35. Reúso de Água em Processos Químicos - Modelo Integrado para Gerenciamento Sustentável
  36. Setores da Indústria Química Orgânica
  37. Sustainable Catalysis for Biorefineries
  38. Technology Roadmap
  39. Tecnologia do Hidrogênio
  40. Tecnologia Enzimática
  41. Tecnologias de Produção de Biodiesel
  42. Technological Trends in the Pharmaceutical Industry
  43. Tendências Tecnológicas no Setor Farmacêutico
×

Dissertações de Mestrado Defendidas: 2012

Reforma a Vapor do Alcatrão com Catalisadores de Níquel derivados de Compostos Tipo Hidrotalcita.

Autora: Fernanda Maria Josuinkas.
Orientadora: Mariana de Mattos Vieira Mello Souza.

Resumo

Catalisadores de níquel derivados de precursores tipo-hidrotalcita, contendo 10 e 20% em peso de NiO, foram preparados e utilizados na reforma a vapor do alcatrão. Os catalisadores foram caracterizados por difração de raios X (DRX), redução à temperatura programada (TPR), análise termogravimétrica e análise textural. Os difratogramas de raios X dos catalisadores após calcinação confirmaram a formação de uma fase de MgO periclásico, na qual se encontram dispersos os óxidos de níquel e alumínio. Os resultados de TPR mostraram apenas um pico de redução numa faixa de temperatura de 920 a 930°C. Tolueno, naftaleno (10% em peso) em solução com tolueno, e benzeno foram usados como compostos modelo na reação de reforma. Os testes catalíticos foram realizados com razão vapor/carbono (S/C) de 1,5, temperatura na faixa de 650 a 900°C e velocidade espacial de 20.000 h-1. As conversões foram bem maiores nos testes com tolueno e benzeno, atingindo conversão total em cerca de 650°C, do que com naftaleno, com conversões inferiores a 10% nessa mesma temperatura. A formação de H2 foi menor do que a prevista pela termodinâmica, com CO2 como produto principal a temperaturas baixas e CO em temperaturas altas. A quantidade e a morfologia do coque depositado são dependentes do composto modelo, com formação de coque filamentoso nas reações com tolueno e benzeno e coque não estruturado nas reações com naftaleno. Apesar da grande deposição de coque, os catalisadores não apresentaram uma desativação aparente em até 18h de reação.


Apoio Institucional e Financeiro

O EPQB agradece o apoio recebido da CAPES
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior