EPQB EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ EPQB - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
English Busca 
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!
Formulário de Busca
×

Páginas dos Livros nos Sites das Editoras

Ver Legenda   Página Existente
  Página não encontrada

  1. A Aprendizagem Tecnológica no Brasil
  2. Análise Térmica de Materiais
  3. Aproveitamento Energético e Caracterização de Resíduos de Biomassa
  4. Biocatálise e Biotransformação - Fundamentos e Aplicações
  5. Biocombustíveis no Brasil
  6. Biomassa para Química Verde
  7. Chemistry Beyond Chlorine
  8. Compositional Grading in Oil and Gas Reservoirs
  9. Controle e Monitoramento de Poluentes Atmosféricos
  10. Dinâmica, Controle e Instrumentação de Processos
  11. Economia da Energia
  12. Engenharia de Processos
  13. Gestão em Biotecnologia
  14. Glycerol - A Versatile Renewable Feedstock for the Chemical Industry
  15. Handbook of Fruit and Vegetable Flavors
  16. Hidrogênio e Células a Combustível
  17. Inovação - O Combustível do Futuro
  18. Integração Refino-Petroquímica - Tendências e Impactos
  19. Mapeamento Tecnológico de Polímeros Furânicos
  20. Microbiologia Industrial - vol. 1: Bioprocessos
  21. Microbiologia Industrial - vol. 2: Alimentos
  22. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 1: Hidrocraqueamento de Frações Pesadas
  23. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 2: Hidrotratamento de Destilados
  24. Modelagem e Controle na Produção de Petróleo - Aplicações em MatLab
  25. Monoethylene Glycol as Hydrate Inhibitor in Offshore Natural Gas Processing - From Fundamentals to Exergy Analysis
  26. Offshore Processing of CO2-Rich Natural Gas with Supersonic Separator - Multiphase Sound Speed, CO2 Freeze-Out and HYSYS Implementation
  27. Olefinas Leves - Tecnologia, Mercado e Aspectos Econômicos
  28. Oportunidades em Medicamentos Genéricos - A Indústria Farmacêutica Brasileira
  29. Panorama e Perspectivas da Estocagem Geológica de Gás Natural no Brasil e no Mundo
  30. Patenteamento & Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico
  31. Planejamento de Experimentos usando o Statistica
  32. Potencialidades do Cajueiro - Caracterização Tecnológica e Aplicação
  33. Processos Inorgânicos
  34. Reologia e Reometria - Fundamentos Teóricos e Práticos
  35. Reúso de Água em Processos Químicos - Modelo Integrado para Gerenciamento Sustentável
  36. Setores da Indústria Química Orgânica
  37. Sustainable Catalysis for Biorefineries
  38. Technology Roadmap
  39. Tecnologia do Hidrogênio
  40. Tecnologia Enzimática
  41. Tecnologias de Produção de Biodiesel
  42. Technological Trends in the Pharmaceutical Industry
  43. Tendências Tecnológicas no Setor Farmacêutico
×

Teses de Doutorado Defendidas: 2012

Mapeamento do Conhecimento Tecnológico da Cadeia do Etanol de 2ª Geração por Rota Bioquímica.

Autor: Luiz André Felizardo Silva Schlittler.
Orientadores: Nei Pereira Jr., Adelaide Maria de Souza Antunes.

Resumo

A matriz energética mundial vem sofrendo mudanças em direção ao desenvolvimento e uso de energias alternativas àquelas provenientes de fontes fósseis. Neste contexto, as biomassas residuais de natureza lignocelulósica possuem um papel de extrema importância, pois são geradas em abundância e são as maiores fontes de carboidratos do planeta. Sua composição, constituída de diferentes frações de biomoléculas, permite a estas biomassas atender as necessidades de diferentes setores da indústria, em especial a de biocombustíveis, estruturados sob um conceito denominado de Biorrefinaria.

A biorrefinaria caracterizada por rotas bioquímicas de conversão é o foco desta tese, que aborda aspectos tecnológicos da cadeia de produção de etanol de segunda geração, a qual fora dividida em 3 elos constitutivos.

A metodologia adotada para o mapeamento do conhecimento tecnológico se baseia na análise de documentos de patente prospectados a partir de determinados itens da Classificação Internacional de Patentes que correspondem às tecnologias características de cada um dos elos.

O processo de mineração de dados, depuração, construção dos bancos de dados e análise das informações foi realizado com o auxílio do software Vantage® versão 5, com apoio da planilha eletrônica MS-Excell. Foram localizados 8.448 documentos depositados até o ano de 2010. O elo relativo às tecnologias de pré-tratamentos contém 5.161 documentos, o elo relativo às tecnologias de produção de enzimas contém 1.551 e o último elo, que é o centro da tese e que trata das tecnologias de conversão das biomassas em etanol, contém 1.736 documentos de patente.

Em todos os 3 elos analisados, 6 países de prioridade se destacam como os que concentram o maior número de depósitos que são os Estados Unidos, China, Japão, Alemanha, Coréia do Sul e França. Um panorama geral mostra que o continente asiático detém o maior número de documentos, em especial na área de produção de enzimas. No entanto, os Estados Unidos é o país, individual, que concentra os maiores esforços em pesquisa e desenvolvimento, em especial no elo relacionado à produção de etanol, propriamente dito.

Instituições de diversos setores desenvolvem o conhecimento aqui tratado, mas se destacam os setores de celulose e papel, biotecnologia industrial e biocombustíveis. Existem aproximadamente 50 grandes projetos em andamento, até o ano de 2012, cujo foco é a produção biotecnológica de etanol de segunda geração. Destes projetos, 32 destes são testados em escalas anuais superiores a 100 m³, sendo os Estados Unidos o país que concentra o maior número destas unidades.

Toda esta cadeia de produção envolve conhecimentos de diferentes áreas e muito conhecimento já fora desenvolvido. O futuro do etanol de segunda geração por rota bioquímica ainda não é certo, mas dependerá dos arranjos adotados, das ferramentas utilizadas, das parcerias estabelecidas e da experiência adquirida (curva de aprendizado). A participação do Estado como elemento incentivador vem se mostrando crucial e o Brasil, apesar de ainda tímido na geração de conhecimento tecnológico, terá papel fundamental como base para a produção deste novo biocombustível, tendo em vista sua vocação natural para as biomassas.


Apoio Institucional e Financeiro

O EPQB agradece o apoio recebido da CAPES
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior