EPQB EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ EPQB - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
English Busca 
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Atenção: Os candidatos selecionados no Processo Seletivo MA 2020/1 devem usar os mesmos CPF e Senha da inscrição no Processo Seletivo. Caso tenha esquecido, peça "Lembrar Senha" na tarja azul clara no topo desta tela. Só precisa preencher a opção Registro de Matrícula, subopções Dados Pessoais, Contato e Documentação.
Atenção: Os candidatos selecionados no Processo Seletivo DSc 2020/1 devem usar os mesmos CPF e Senha da inscrição no Processo Seletivo. Caso tenha esquecido, peça "Lembrar Senha" na tarja azul clara no topo desta tela. Só precisa preencher a opção Registro de Matrícula, subopções Dados Pessoais, Contato e Documentação.
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!
Formulário de Busca
×

Páginas dos Livros nos Sites das Editoras

Ver Legenda   Página Existente
  Página não encontrada

  1. A Aprendizagem Tecnológica no Brasil
  2. Análise Térmica de Materiais
  3. Aproveitamento Energético e Caracterização de Resíduos de Biomassa
  4. Biocatálise e Biotransformação - Fundamentos e Aplicações
  5. Biocombustíveis no Brasil
  6. Biomassa para Química Verde
  7. Chemistry Beyond Chlorine
  8. Compositional Grading in Oil and Gas Reservoirs
  9. Controle e Monitoramento de Poluentes Atmosféricos
  10. Dinâmica, Controle e Instrumentação de Processos
  11. Economia da Energia
  12. Engenharia de Processos
  13. Gestão em Biotecnologia
  14. Glycerol - A Versatile Renewable Feedstock for the Chemical Industry
  15. Handbook of Fruit and Vegetable Flavors
  16. Hidrogênio e Células a Combustível
  17. Inovação - O Combustível do Futuro
  18. Integração Refino-Petroquímica - Tendências e Impactos
  19. Mapeamento Tecnológico de Polímeros Furânicos
  20. Microbiologia Industrial - vol. 1: Bioprocessos
  21. Microbiologia Industrial - vol. 2: Alimentos
  22. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 1: Hidrocraqueamento de Frações Pesadas
  23. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 2: Hidrotratamento de Destilados
  24. Modelagem e Controle na Produção de Petróleo - Aplicações em MatLab
  25. Monoethylene Glycol as Hydrate Inhibitor in Offshore Natural Gas Processing - From Fundamentals to Exergy Analysis
  26. Offshore Processing of CO2-Rich Natural Gas with Supersonic Separator - Multiphase Sound Speed, CO2 Freeze-Out and HYSYS Implementation
  27. Olefinas Leves - Tecnologia, Mercado e Aspectos Econômicos
  28. Oportunidades em Medicamentos Genéricos - A Indústria Farmacêutica Brasileira
  29. Panorama e Perspectivas da Estocagem Geológica de Gás Natural no Brasil e no Mundo
  30. Patenteamento & Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico
  31. Planejamento de Experimentos usando o Statistica
  32. Potencialidades do Cajueiro - Caracterização Tecnológica e Aplicação
  33. Processos Inorgânicos
  34. Reologia e Reometria - Fundamentos Teóricos e Práticos
  35. Reúso de Água em Processos Químicos - Modelo Integrado para Gerenciamento Sustentável
  36. Setores da Indústria Química Orgânica
  37. Sustainable Catalysis for Biorefineries
  38. Technology Roadmap
  39. Tecnologia do Hidrogênio
  40. Tecnologia Enzimática
  41. Tecnologias de Produção de Biodiesel
  42. Technological Trends in the Pharmaceutical Industry
  43. Tendências Tecnológicas no Setor Farmacêutico
×

Dissertações de Mestrado Defendidas: 2011

Desenvolvimento de Iogurte Sabor Café: Avaliação Sensorial e Reológica.

Autor: Thiago Rocha dos Santos Mathias.
Orientadores: Eliana Flavia Camporese Sérvulo, Itamar de Carvalho Jr.

Resumo

Iogurte é um alimento funcional que apresenta grande demanda devido à busca por uma vida mais saudável. Este trabalho apresenta a tecnologia de produção de iogurte sabor café, como nova opção, visando a ampliação do mercado consumidor deste produto.

Preliminarmente, a viabilidade do estudo foi determinada através de testes sensoriais de laboratório, que indicaram a aceitabilidade inicial do iogurte sabor café. Em seguida, as concentrações ideais de café e espessante (gelatina) foram definidas por planejamento fatorial de dois níveis e dois fatores e Análise Descritiva Quantitativa, com equipe de provadores selecionados e treinados.

Os resultados foram analisados estatisticamente através de Análise de Variância ao nível de 5% de significância. Depois de definida a melhor formulação, a fermentação do iogurte foi monitorada e o produto final submetido à avaliação nutricional, microbiológica e reológica, e à análise sensorial de aceitabilidade.

O processo fermentativo foi acompanhado pela determinação dos valores de pH e da acidez em ácido láctico. O iogurte de café foi avaliado nutricionalmente pela análise dos teores de gordura, cinzas, proteínas, açúcares redutores e carboidratos totais.

As análises microbiológicas quantificaram as células viáveis de Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus pela técnica do número mais provável. Estas análises foram realizadas ao longo de 30 dias de estocagem sob refrigeração para monitoramento da qualidade do produto e pós-acidificação.

A consistência e viscosidade, uns dos principais fatores envolvidos na qualidade do produto e sua aceitação, foram estudadas pela adição de espessante (gelatina) ao iogurte sabor café e sua comparação com as características reológicas de iogurtes comerciais, em cujas formulações constam diferentes espessantes. Foram obtidas as curvas de fluxo e viscosidade, para taxa de cisalhamento ascendente e descendente, e realizados testes de tixotropia, em reômetro rotacional.

No teste de aceitabilidade, 120 consumidores não treinados indicaram sua aceitação e intenção de compra. O produto obteve boa aceitação nos testes de laboratório, totalizando cerca de 90% de respostas positivas. Resultados do teste descritivo indicaram diferença significativa em função das concentrações de café e de espessante (p<0,05). Todos os resultados obtidos nas análises de composição centesimal e microbiológicas se enquadraram nos limites da legislação vigente.

Durante o tempo de prateleira, foi observado um aumento da acidez em ácido láctico, indicando a atividade continuada das culturas microbianas. Todas as amostras de iogurte apresentaram comportamento não-newtoniano, pseudoplástico e tixotrópico. O uso da gelatina como espessante apresentou caráter protetor, reduzindo a quebra estrutural. A análise estatística do teste afetivo apontou não ser o sexo ou a idade relevantes na aceitação do produto (p>0,05).

A melhor formulação indicada pelo teste descritivo teve boa aceitação geral, de aproximadamente 70%, no teste afetivo.


Apoio Institucional e Financeiro

O EPQB agradece o apoio recebido da CAPES
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior