EPQB EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ EPQB - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
English Busca 
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Atenção: Os candidatos selecionados no Processo Seletivo MP 2019/1 devem usar os mesmos CPF e Senha da inscrição no Processo Seletivo. Caso tenha esquecido, peça "Lembrar Senha" na tarja azul clara no topo desta tela. Só precisa preencher a opção Registro de Matrícula, subopções Dados Pessoais, Contato e Documentação
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!
Formulário de Busca
×

Páginas dos Livros nos Sites das Editoras

Ver Legenda   Página Existente
  Página não encontrada

  1. A Aprendizagem Tecnológica no Brasil
  2. Análise Térmica de Materiais
  3. Aproveitamento Energético e Caracterização de Resíduos de Biomassa
  4. Biocatálise e Biotransformação
  5. Biocombustíveis no Brasil
  6. Biomassa para Química Verde
  7. Chemistry Beyond Chlorine
  8. Compositional Grading in Oil and Gas Reservoirs
  9. Controle e Monitoramento de Poluentes Atmosféricos
  10. Dinâmica, Controle e Instrumentação de Processos
  11. Economia da Energia
  12. Engenharia de Processos
  13. Gestão em Biotecnologia
  14. Glycerol - A Versatile Renewable Feedstock for the Chemical Industry
  15. Handbook of Fruit and Vegetable Flavors
  16. Inovação - O Combustível do Futuro
  17. Mapeamento Tecnológico de Polímeros Furânicos
  18. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 1: Hidrocraqueamento de Frações Pesadas
  19. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 2: Hidrotratamento de Destilados
  20. Modelagem e Controle na Produção de Petróleo
  21. Monoethylene Glycol as Hydrate Inhibitor in Offshore Natural Gas Processing
  22. Offshore Processing of CO2 Rich Natural Gas with Supersonic Separator
  23. Olefinas Leves - Tecnologia, Mercado e Aspectos Econômicos
  24. Oportunidades em Medicamentos Genéricos
  25. Panorama e Perspectivas da Estocagem Geológica de Gás Natural
  26. Patenteamento & Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico
  27. Planejamento de Experimentos usando o Statistica
  28. Potencialidades do Cajueiro
  29. Processos Inorgânicos
  30. Reologia e Reometria - Fundamentos Teóricos e Práticos
  31. Reúso de Água em Processos Químicos
  32. Setores da Indústria Química Orgânica
  33. Technology Roadmap
  34. Tecnologia do Hidrogênio
  35. Tecnologia Enzimática
  36. Tecnologias de Produção de Biodiesel
  37. Technological Trends in the Pharmaceutical Industry
  38. Tendências Tecnológicas no Setor Farmacêutico
×

Dissertações de Mestrado Defendidas: 2012

Comportamento Térmico de Misturas Diesel-Biodiesel.

Autora: Tatiana Fernandes de Oliveira.
Orientadores: Jo Dweck, Cheila Gonçalves Mothé.

Resumo

Atualmente, a comercialização do biodiesel tem que atender a Resolução do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) nº 6, de 16.9.2009, que estabelece em 5% o percentual mínimo obrigatório de adição de biodiesel ao óleo diesel (B 5). Essa Resolução também já prevê futuros aumentos do percentual de obrigatoriedade do uso de biodiesel em até 20% em volume (B 20).

O objetivo principal da presente Dissertação foi um melhor conhecimento de propriedades térmicas de misturas biodiesel-diesel (B 2,5, B 5, B 10 e B 20), da influência do teor de biodiesel no comportamento térmico dessas misturas, assim como das matérias-primas utilizadas para seu preparo.

Esse estudo, visando sua aplicação prática para escolha de combustíveis alternativos para motores diesel, foi feito em sua grande parte utilizando análises por termogravimetria (TG), termogravimetria derivada (DTG) e Calorimetria Exploratória diferencial, utilizando diferentes razões de aquecimento constantes em presença de ar. Utilizando métodos isoconversionais de Osawa Flyn-Wall com aproximação de Doyle, Kissinger-Akahira-Sunose e de Blazejowsky, que não dependem do modelo cinético das transformações, foram obtidas as energias de ativação em função dos graus de conversão a partir das análises TG e DTG.

Os resultados indicaram ser a mistura B 5 a de menor energia de ativação inicial, portanto a que apresentará, entre as misturas estudadas e em relação ao próprio diesel usado nas mesmas, o menor atraso de ignição em seu uso em motores diesel.

Nas condições das análises realizadas apenas as misturas B 5, B10, B 20 e o biodiesel puro (B 100) apresentaram autoignição durante as mesmas, o que foi evidenciado pelos respectivos picos exotérmicos ocorridos após fases iniciais de volatilização. Aplicando-se os métodos cinéticos de Kissinger, que também não é dependente da cinética das transformações, verificou-se que o mesmo apenas poderia ser utilizado para os casos B 0, B 2,5 e B 5 que apresentaram basicamente um mecanismo apenas de perda de massa, confirmando que a volatilização da mistura B5 apresenta a menor energia de ativação média.