TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ TPQB - Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!

Dissertações de Mestrado Defendidas: 2010

Aplicação de Biossensor Bioluminescente na detecção do HPA Naftaleno em Solo Contaminado com Óleo Cru.

Autora: Giselle da Silva Cavalcanti.
Orientadora: Andréa Medeiros Salgado.

Resumo

Biossensores microbianos capazes de emitir luz perante um composto específico surgem como uma alternativa de ferramenta analítica para a medida de um contaminante. A bactéria Pseudomonas fluorescens HK 44 foi selecionada para detecção de naftaleno em amostras de solo contaminado com petróleo, por ser uma cepa capaz de emitir luz suficiente para servir como um biossensor e como um repórter da atividade biodegradativa deste hidrocarboneto aromático policíclico.

A genuína aplicação dos biossensores na área ambiental, entretanto, encontra alguns entraves, uma vez que os sensores biológicos devem ser expostos a amostras de natureza aquosa, em um meio tamponado. Desta maneira, a análise das amostras de solo contaminado se deu após a etapa de extração química com a hidroxipropil - beta - ciclodextrina (?-HPCD), por esta ser considerada uma metodologia de extração não exaustiva capaz de refletir a fração biodisponível do HPA naftaleno.

No presente trabalho, a cepa HK44 foi aplicada no monitoramento do teor de naftaleno presente em amostras de solo provenientes de um sistema experimental de Atenuação Natural Monitorada contaminado com óleo cru nas proporções de 0,5%; 2,5% e 5% (p/p), exposto a intempéries por um período de 15 meses.

A concentração inicial de naftaleno assinalada pelo sensor microbiano foi de 17,2 mg/kg na condição do solo 5,0% contaminado. No quinto mês de contaminação foi apontada pelo instrumento sensor uma concentração residual de naftaleno igual a 5,8 mg/kg na condição de maior adição de óleo (5%). A partir do oitavo mês, não foi possível detectar a presença do analito no solo em qualquer das concentrações experimentadas.

Os resultados obtidos pelo biossensor corroboram outras análises deste sistema experimental que apontam um elevado percentual de remoção de óleo já no sexto mês de contaminação. Deste modo, a bioluminescência mostrou ser uma técnica sensível a poluentes orgânicos em matrizes ambientais complexas, sendo o biossensor proposto capaz de fornecer uma excelente resposta qualitativa da presença do hidrocarboneto naftaleno em solos contaminados com óleo cru.