TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos TPQB - Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ TPQB - Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!

Dissertações de Mestrado Defendidas: 2008

Aplicação de Tecnologia Enzimática na Obtenção de Beta-Caroteno a partir de Óleo de Buriti (Mauritia vinifera).

Autor: Bernardo Dias Ribeiro.
Orientadores: Maria Alice Zarur Coelho, Daniel Weingart Barreto.

Resumo

O β-caroteno é utilizado como corante alimentício ou como complemento nutricional, por ser a principal fonte de pró-vitamina A. Estima-se que o mercado mundial de carotenóides, que em 2005 foi de 887 milhões de dólares, irá crescer 3% ao ano, quebrando a barreira de 1 bilhão de dólares em 2009, sendo o β-caroteno responsável por quase 30% deste mercado.

A maior parte do β-caroteno vendido no mundo é obtida por síntese química a partir da β-ionona, mas uma pequena parte é produzida por processos biotecnológicos, utilizando diferentes microorganismos, tais como fungos filamentosos (Blaskelea trispora e Phycomyces blaskeleeanus), leveduras (Rhodotorula glutinis), bactérias (Flavobacterium multivorum) e microalgas (Dunaliella salina e D. bardawil). Alguns frutos oleaginosos como o dendê (Elaeis guineensis) e o buriti (Mauritia vinifera) apresentam um alto teor de carotenóides, principalmente de β-caroteno.

O buriti é uma palmácea que cresce em diversas áreas do Brasil, e apresenta diversos usos tradicionais, como na preparação de refrescos e doces da região Amazônica. O recente interesse em novas fontes naturais de β-caroteno têm estimulado o desenvolvimento de processos para a extração do óleo rico em carotenóides do buriti. A maior parte desses processos, entretanto, ainda é baseada em tecnologias convencionais que incluem a secagem e a prensagem do óleo da polpa.

O presente trabalho trata da caracterização inicial do óleo bruto e refinado de buriti, incluindo a determinação dos insaponificáveis, e posteriormente a hidrólise enzimática de ambos os óleos, para a posterior extração e concentração de β-caroteno.

Na etapa de hidrólise foi avaliado o desempenho de duas lipases comerciais, Lipozyme TL IM e CALB L, e também de uma lipase produzida em laboratório originada de Yarrowia lipolytica. Os parâmetros avaliados no processo de extração foram: temperatura, quantidade de enzima (atividade enzimática) e relação substrato (óleo de buriti) / água.

As condições experimentais foram estabelecidas através de um planejamento estatístico de experimentos, de forma a se otimizar seus valores em função do maior rendimento de ácidos graxos livres e a perda mínima de carotenóides durante o processo. Os resultados foram analisados em relação ao teor de ácidos graxos livres por titulação; carotenóides totais por espectrofotômetro e composição de carotenóides totais por HPLC, utilizando coluna YMC ODS-A com fase móvel de acetonitrila/metanol/THF (50/45/5).

Na caracterização do óleo bruto, os resultados foram similares aos já encontrados na literatura, mas o óleo refinado apresentou apocarotenóides, que são formados durante o processo de refino de óleos vegetais. As condições ótimas de hidrólise enzimática foram diferentes para cada óleo, onde a lipase Lipozyme TL IM apresentou uma atividade lipolítica superior às demais.