EPQB EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos EPQB - Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ EPQB - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
English Busca 
Intranet
Por favor, digite ou corrija o CPF!
Por favor, digite sua Senha!
Atenção: Os candidatos selecionados no Processo Seletivo MA 2020/1 devem usar os mesmos CPF e Senha da inscrição no Processo Seletivo. Caso tenha esquecido, peça "Lembrar Senha" na tarja azul clara no topo desta tela. Só precisa preencher a opção Registro de Matrícula, subopções Dados Pessoais, Contato e Documentação.
Atenção: Os candidatos selecionados no Processo Seletivo DSc 2020/1 devem usar os mesmos CPF e Senha da inscrição no Processo Seletivo. Caso tenha esquecido, peça "Lembrar Senha" na tarja azul clara no topo desta tela. Só precisa preencher a opção Registro de Matrícula, subopções Dados Pessoais, Contato e Documentação.
Lembrar Senha
Por favor, digite ou corrija o E-Mail!
Formulário de Busca
×

Páginas dos Livros nos Sites das Editoras

Ver Legenda   Página Existente
  Página não encontrada

  1. A Aprendizagem Tecnológica no Brasil
  2. Análise Térmica de Materiais
  3. Aproveitamento Energético e Caracterização de Resíduos de Biomassa
  4. Biocatálise e Biotransformação - Fundamentos e Aplicações
  5. Biocombustíveis no Brasil
  6. Biomassa para Química Verde
  7. Chemistry Beyond Chlorine
  8. Compositional Grading in Oil and Gas Reservoirs
  9. Controle e Monitoramento de Poluentes Atmosféricos
  10. Dinâmica, Controle e Instrumentação de Processos
  11. Economia da Energia
  12. Engenharia de Processos
  13. Gestão em Biotecnologia
  14. Glycerol - A Versatile Renewable Feedstock for the Chemical Industry
  15. Handbook of Fruit and Vegetable Flavors
  16. Hidrogênio e Células a Combustível
  17. Inovação - O Combustível do Futuro
  18. Integração Refino-Petroquímica - Tendências e Impactos
  19. Mapeamento Tecnológico de Polímeros Furânicos
  20. Microbiologia Industrial - vol. 1: Bioprocessos
  21. Microbiologia Industrial - vol. 2: Alimentos
  22. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 1: Hidrocraqueamento de Frações Pesadas
  23. Modelagem Composicional de Frações de Petróleo - Vol. 2: Hidrotratamento de Destilados
  24. Modelagem e Controle na Produção de Petróleo - Aplicações em MatLab
  25. Monoethylene Glycol as Hydrate Inhibitor in Offshore Natural Gas Processing - From Fundamentals to Exergy Analysis
  26. Offshore Processing of CO2-Rich Natural Gas with Supersonic Separator - Multiphase Sound Speed, CO2 Freeze-Out and HYSYS Implementation
  27. Olefinas Leves - Tecnologia, Mercado e Aspectos Econômicos
  28. Oportunidades em Medicamentos Genéricos - A Indústria Farmacêutica Brasileira
  29. Panorama e Perspectivas da Estocagem Geológica de Gás Natural no Brasil e no Mundo
  30. Patenteamento & Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico
  31. Planejamento de Experimentos usando o Statistica
  32. Potencialidades do Cajueiro - Caracterização Tecnológica e Aplicação
  33. Processos Inorgânicos
  34. Reologia e Reometria - Fundamentos Teóricos e Práticos
  35. Reúso de Água em Processos Químicos - Modelo Integrado para Gerenciamento Sustentável
  36. Setores da Indústria Química Orgânica
  37. Sustainable Catalysis for Biorefineries
  38. Technology Roadmap
  39. Tecnologia do Hidrogênio
  40. Tecnologia Enzimática
  41. Tecnologias de Produção de Biodiesel
  42. Technological Trends in the Pharmaceutical Industry
  43. Tendências Tecnológicas no Setor Farmacêutico
×

Dissertações de Mestrado Defendidas: 2010

Avaliação do Potencial de Solos na Faixa de Dutos na Indução da Biocorrosão de Metais.

Autora: Sylviane Franco Charret
Orientadoras: Eliana Flávia Camporese Sérvulo, Márcia Tereza Lutterbach

Resumo

Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de caracterizar e monitorar as condições apresentadas por três tipos de solos provenientes da região Sudeste do Brasil, visando identificar a ocorrência de microrganismos promotores da corrosão induzida microbiologicamente (CIM), em relação aos aços carbono AISI 1020 e aço inoxidável AISI 316L. Destes três solos analisados, dois solos franco-arenosos (1 e 2) foram escolhidos em função das suas características geotécnica, química, física e microbiológica.

O quantitativo de 6 kg de cada solo foi distribuído em caixas retangulares de plástico, de 41,7cm x 18,1cm x 28 cm (comprimento x largura x altura). Nos solos, corpos-de-prova de aço carbono e aço inoxidável, após tratamento químico e pesagem, foram enterrados, separadamente, onde permaneceram, à temperatura resfriada na faixa de 23°C a 27°C por um período total de 60 dias, a fim de permitir a formação de biofilme.

Nos intervalos de 15 e 30 dias, e ao final do período de 60 dias, os corpos-de-prova de aço carbono e aço inoxidável foram avaliados através de técnicas específicas para:

Constataram-se uma atividade similar das bactérias aeróbias e anaeróbias ao longo do tempo para ambos os solos, e estas populações microbianas foram proporcionais qualitativamente e quantitativamente às suas respectivas concentrações encontradas nos biofilmes dos aços carbono e inoxidável. As concentrações microbianas analisadas mantiveram-se constante durante o período analisado.

Os resultados para EPS revelaram que as quantidades de EPS nos biofilmes foram semelhantes para os dois diferentes solos para o aço inoxidável AISI 316L. No entanto, esta quantidade de polissacarídeo no cupom de aço carbono enterrado no solo 1 foi quatro vezes maior do que o que ficou no solo 2. Os resultados para EPS revelaram a possibilidade de se empregar este parâmetro como um indicativo para o monitoramento microbiológico. Em relação à atividade hidrogenásica, esta foi efetiva, sugerindo a presença de quantidades expressivas de BRS hidrogenase-positivas em ambos os solosos, independente da concentração de BRS.

A análise da perda de massa para o aço carbono foi maior do que para o aço inoxidável, sendo mais intensa no solo 1 onde era maior a quantidade de microrganismos. No entanto, a taxa de corrosão para aço carbono foi maior no solo 1, do que no solo 2. Mas o aço inoxidável apresentou menor taxa de corrosão, sendo similar para ambos os solos. Logo, pode classificar a corrosão como muito severa para ambos os metais, segundo o critério da Norma NACE RP-07-75.


Apoio Institucional e Financeiro

O EPQB agradece o apoio recebido da CAPES
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior